Efeitos de treinamento a curto e longo prazo em parâmetros de diagnóstico relacionados à força com a estimulação mecânica e elétrica

(Speicher, U. / Nowak, S. / Schmithüsen J. / Kleinöder, H. / Mester, J., Universidade Esportiva Alemã de Colônia, 2008; publicado em “medical sports network” 04/2007, entre outros.)

Objetivo do estudo
O objetivo do presente estudo foi de comparar métodos clássicos de treinamento de força com a EMS dinâmica de corpo inteiro no que diz respeito aos seus efeitos na força e na velocidade.

Metodologia
80 estudantes desportivos foram distribuídos aleatoriamente em mesmo número em grupos de treinamento clássico de hipertrofia, força máxima, rapidez e resistência muscular, em um grupo com o procedimento moderno de EMS de corpo inteiro e vibração, bem como em dois grupos mistos, de EMS/hipertrofia e vibração/hipertrofia.

Os grupos de treinamento clássico trabalharam na flexão e extensão da musculatura das pernas em equipamentos (Gym80) nos respectivos grupos, em 3 séries com vários pesos adicionais (30-90%, 3-15 repetições). Os grupos de EMS executaram passadas laterais e agachamentos sem pesos adicionais (carga/intervalo de 6s/4s, frequência de pulso de 85 Hz, largura do pulso de 350 μs, pulso retangular bipolar (60% de intensidade). A padronização foi feita através de retroalimentação biológica.

O treinamento ocorria duas vezes por semana durante um período de 4 semanas. Exames de entrada e saída foram realizados em máquinas de diagnóstico de força, antes e depois do treinamento, bem como após uma fase de regeneração de duas semanas. As dinâmicas foram medidas por meio de desempenho (força x velocidade) com 40% e 60% de carga adicional em vários ângulos. 

Resultados
Todos os tipos de treinamento de força conseguiram melhorar significativamente o desempenho máximo. A força máxima registrou maior aumento no grupo de hipertrofia (em 16%), seguida de 9-10% na EMS. Apenas os grupos de EMS apresentaram uma melhora significativa na velocidade. O desempenho de velocidade medido melhorou em cerca de 30% – significativamente mais do que nos métodos clássicos (16-18%). Isso é aparentemente devido ao controle direto da EMS nas fibras musculares de contração rápida.


Modelos de treinamento misto, tais como o de treinamento com EMS e hipertrofia clássica, exibem mudanças típicas resultantes dos estímulos dos dois treinamentos (um crescimento máximo de 7% na força e uma melhoria de 12% no desempenho).

 

As combinações dos procedimentos de treinamentos clássicos e modernos podem, assim, originar novas e promissoras configurações de estímulos. Os efeitos a longo prazo da EMS de corpo inteiro devem ser enfatizados em particular. Os maiores aumentos no desempenho aparecem após um período de regeneração de duas semanas.

Conclusão
Comparado com vários tipos de treinamento para aumentar a força e a velocidade, o treinamento dinâmico com EMS de corpo inteiro da Miha Bodytec mostrou ser um método de treinamento altamente eficaz. A EMS de corpo inteiro foi o único método capaz de melhorar o máximo desempenho desportivo na velocidade de movimento. Além disso, os efeitos a longo prazo anunciados estão abrindo novas possibilidades na periodização dos treinos. Uma quantidade de EMS de corpo inteiro, cuidadosamente dosada, juntamente com a execução dinâmica de movimento, representa uma combinação promissora para o treinamento de força e velocidade.

Pin It on Pinterest